QC Saúde
adoçante

Adoçante: É a melhor escolha? Quais os mais indicados? Entenda já!

Existe uma infinidade de adoçantes no mercado, tais como aspartame, sucracolose, stevia, dentre outros. Entretanto, como definir o melhor entre tantas opções?

Por essa razão, preparamos este conteúdo especial com tudo o que você precisa saber sobre essa tendência mundial. Acompanhe ao longo do texto!

Em suma, o adoçante funciona como alternativa ao famigerado açúcar refinado, um grande vilão para a saúde humana, podendo despertar inúmeras doenças, bem como agravar outras, no caso, a diabetes.

Neste sentido, o adoçante entra como o salvador da pátria, pois, dependendo da ocasião, promove o sabor doce à vida dos diabéticos. Ainda assim, o produto é amplamente usado pelos amantes de exercícios físicos e que adoram manter o corpo em dia.

Abaixo, confira os principais detalhes sobre os adoçantes e veja se vale a pena utilizar esta artimanha.

Origem dos adoçantes

Engana-se quem pensa que o adoçante é invenção nova. Apesar de fazer o maior sucesso nos dias atuais, o produto foi descoberto em 1879, a partir da criação da sacarina.

A principal característica dos adoçantes é promover a redução de calorias diárias que, na maioria dos casos, era preenchida com o açúcar comum. “ah, mas para isso era só cortar o açúcar da dieta”. Sim, muitos preferem tirar de uma vez por todas o açúcar, mas o adoçante é funciona como uma ponte até que isso seja possível.

Ou seja, o item auxilia no processo emagrecedor, pois diminui o consumo de açúcar e, ainda por cima, promove uma espécie de reabilitação, garantindo a independência acerca dos grãos doces e refinados.

adoçante

Tipos de adoçante 

Há duas classificações para os adoçantes: os naturais e os sintéticos. Atualmente, a maioria dos adoçantes que é usado pelo público é de caráter sintético. Por sua vez, a diferença entre eles está na ligada à origem. Os sintéticos são feitos em laboratório e, apesar de não conter calorias, pode gerar prejuízos em longo prazo.

Adoçantes naturais

Em contrapartida, os adoçantes naturais são aqueles originados de frutas, plantas, e etc. O mais famoso é a Stevia, adoçante extraído de uma planta. Para ter ideia, este tipo possui sabor 300 vezes mais doce que o próprio açúcar. Ou seja, 1 G de Stevia é o equivalente a 300 G de açúcar refinado.

Há também alternativas mais peculiares, como o agave, produzidos a partir de um tipo de cactos do México. Este tipo de adoçante é uma descoberta bem recente e ainda está em fase de testes.

Confira outros tipos de adoçantes naturais:

  • Xilitol;
  • Manito;
  • Sorbitol;
  • Maltodextrina;

A única coisa que muda é que os produtos citados acima apresentam calorias. Embora sejam poucas, o poder adocicador de cada um deles também muda. Neste sentido, o mais recomendado acaba por ser a Stevia.

Adoçantes sintéticos

Na categoria dos sintéticos está à sacarina e o ciclamato. De acordo com estudos, esses produtos contêm alto índice de sódio e devem ser completamente evitados, especialmente por pacientes hipertensos ou quem tem tendência para reter líquido.

Há também o aspartame, que deve ser evitado por quem tem feilcetonúria, doença que atinge o cérebro e causa retardo mental.

Quais benefícios do adoçante?

Qualquer tipo de adoçante, quando usado em excesso, acarreta em riscos à saúde. Isso também vale para o açúcar e qualquer outro produto que possa ser ingerido.

No entanto, as pesquisas indicam que, tanto o ciclamato como o aspartame podem ocasionar problemas de saúde. O principal problema está relacionado à compulsão alimentar, uma vez que o paladar é enganado, pois o corpo não absorver as calorias do açúcar.

Neste sentido, o organismo começa a pedir fontes de carboidrato e é nessa hora que foge o controle do usuário de adoçantes. Deste modo, a pessoa acaba entrando em um círculo vicioso, pois ingere mais que o dobro das calorias oriundas do açúcar.

Ainda assim, os adoçantes naturais foram indicados como os melhores, porém ainda podem apresentar alguns riscos. Com isso, a sucraclose tem se mostrado prejudicial em pessoas com doenças inflamatórias no intestino, como a síndrome do instestino irritável, retocolite, doença de Crohn, dentre outras implicações.

Além do mais, uma curiosidade muito interessante é que a sacarina é altamente restrita no Canadá, e também o ciclamato nos EUA. Ambos resultados de testes que mostraram o aumento de risco de tumores em roedores de laboratório.

Sendo assim, para evitar qualquer tipo de risco, o ideal é não abusar dos adoçantes e, deste modo, procurar um médico antes de começar a utilizar o produto adocicado.

Adoçante auxilia no emagrecimento?

Sim, esses produtos têm influencia direta no emagrecimento, já que podem cortar boa parte das calorias que seriam consumidas por meio do açúcar. Entretanto, eles podem atrapalhas em alguns pontos, principalmente no desejo pelo açúcar.

Dessa maneira, o mais indicado pelos profissionais nutricionais e médicos especializados, em suma, é testar a usabilidade do adoçante para, assim, escolher o que melhor se adéqua com a rotina do usuário.

Geralmente, os fatores que influenciam na escolha do adoçante é o sabor. Sendo assim, quanto mais próximo do açúcar refinado, melhor.

Cuidados para quem deseja emagrecer

Assim como foi falado há pouco, alguns adoçantes podem auxiliar na independência do açúcar, proporcionando um tipo de desmame. Por exemplo, o adoçante pode ser inserido nas primeiras semanas de dieta e, aos poucos, o paciente pode diminuir o uso.

Isso vale tanto para o açúcar como outros alimentos e bebidas açucaradas, como o refrigerante, bolos, doces, dentre outras gostosuras. Ainda assim, o que acontece é conhecido como reeducação alimentar.

Assim sendo, quando o paciente perceber já estará livre dos doces, balas, e etc. No mais, é importante ficar de olho nas recaídas, porém não quer dizer que o açúcar deve ser exterminado da dieta – mas deveria – o que deve acontecer é o uso moderado, poucas vezes na semana.

Qual adoçante usar para cozinhar?

A Stevia é o adoçante mais indicado, pois sua substância aguenta altas temperaturas, podendo ser utilizado para biscoitos, bolos, dentre outros alimentos com baixo teor calórico.

Dessa forma, manter a dieta em dia é ainda mais fácil e prazeroso, uma vez que aquele gostinho doce não vai fugir do seu dia a dia.

O QC Saúde tem caráter totalmente informativo, não recomendamos que você faça nenhum tipo de procedimento ou uso de medicação sem antes consultar um médico especialista.

Nosso objetivo é publicar conteúdo de qualidade de forma simplificada, clique aqui e confira nossas fontes.

Deixe seu comentário