QC Saúde
Água de quiabo

Água de quiabo: Ajuda no diabetes e no emagrecimento? Saiba já!

O quiabo é muito consumido em diversas regiões e evitado por algumas pessoas devido a “baba” que apresenta, fazendo com que exista até mesmo métodos para retirá-la. De qualquer forma, ao se tratar da água de quiabo, é interessante citar que a bebida ficou famosa nos últimos anos por dois motivos: potencial para ajudar no emagrecimento e no diabetes.

Conforme será visto no texto, a bebida consiste em deixar o quiabo de molho na água e consumir em jejum. Por mais que os benefícios do quiabo em si sejam discutidos de forma mais ampla, inclusive por profissionais, não é o mesmo ao se tratar da água de quiabo.

A saúde é uma área delicada, que requer inúmeros testes e anos de pesquisas para que existam comprovações a respeito da eficácia de remédios, soluções e até mesmo alternativas naturais. Por esse motivo, até mesmo com os benefícios em potencial que a água de quiabo apresente, é importante ter cautela com o consumo e prezar sempre por uma orientação médica.

Benefícios da água de quiabo

Os benefícios da água de quiabo estão relacionados principalmente com o quiabo em si. É possível citar a riqueza em fibras, que por sua vez promove a sensação de saciedade e consequentemente, contribui com a perda de peso, pois evita que as pessoas consumam com maior controle os alimentos.

Além disso, as fibras podem ser grandes aliadas do trânsito intestinal e redução dos níveis de colesterol e glicose na corrente sanguínea. Já a vitamina C atua como antioxidante, inibindo a ação de radicais livres, que são responsáveis por acometer células sadias do organismo e deixá-lo mais vulnerável a doenças.

A riqueza em vitamina K, magnésio, cálcio e folatos, faz com que seja benéfico também para a manutenção da saúde óssea. Dessa forma, problemas relacionados a densidade dos ossos podem ser prevenidos.

Água de quiabo

Como usar a água de quiabo?

Para preparar a água de quiabo, é preciso apenas os dois ingredientes que dão o nome a bebida, sendo 4 quiabos e 200 ml de água. Veja a forma de preparo a seguir:
Corte os quiabos ao meio e descarte as pontas. Em seguida, coloque os pedaços em um copo com a água, tampe e deixe de molho no decorrer da noite.

Uma das recomendações para o consumo, é que seja realizado em jejum. Além disso, também é indicado aguardar meia hora antes de beber outra coisa ou de comer.

A relação da água de quiabo com o diabetes

Há alguns anos, a água de quiabo ficou famosa devido a um estudo com a proposta de que seria eficaz contra o diabetes. A teoria tem como base a mucilagem liberada pelo quiabo, ou seja, a baba. Aponta-se que exista uma concentração elevada de fibras neste elemento e é justamente  o que contribui com a redução dos níveis de glicose na corrente sanguínea.

Os estudantes responsáveis pela pesquisa chegaram ao resultado de que usar dois quiabos partidos ao meio e sem as pontas e colocá-los na água, seria o suficiente para chegar a resultados positivos. No entanto, em alguns locais, principalmente em portais digitais, essa descoberta foi apontada como a cura do diabetes e é preciso tomar cautela com esse tipo de informação.

Por mais que nos indivíduos testados o efeito possa ter sido positivo, além da possibilidade do efeito placebo, ainda não há maiores comprovações científicas em torno da eficácia da água de quiabo para o diabetes. É necessário que testes sejam realizados, com uma amostragem maior e inúmeros testes.

A princípio, nenhum efeito nocivo é notado, porém, o tratamento convencional não deve ser abandonado, a medicação da glicemia deve ser realizada regularmente. As orientações médicas devem ser sempre seguidas para que o quadro de saúde não piore.

Como o quiabo é cultivado?

O quiabeiro pertence a família das malváceas, a planta tem pouca tolerância a temperaturas baixas e um desenvolvimento eficaz em áreas de clima quente, principalmente com temperatura entre 22 e 25°C. Já acima de 35°C e abaixo de 18°C, a produtividade e qualidade são comprometidas, com queda das flores e dos frutos novos.

Para o plantio, é indicado quebrar a dormência da semente para facilitar a germinação. Para isso, é preciso colocar as sementes de molho em água, pelo menos um dia antes da semeadura.  Já a época ideal para o plantio é de setembro a janeiro para climas frios, em clima ameno o recomendado é de agosto a março, já para áreas com clima quente, pode ser realizada o ano todo.

O tipo de solo argilo-arenoso e rico em matéria orgânica é o mais favorável para a produção do quiabeiro. É possível que ocorra o cultivo em rotação com outras culturas, principalmente para que seja possível usufruir dos resíduos de adubos que foram usados na cultura interior. No entanto, é fundamental que o lugar não tenha sido acometido por nematódeos, pois o quiabeiro está propenso a ser atacado por essa praga.

Entre os tratos culturais, é possível citar o desbaste, deixando 2 plantas em cada cova, irrigação nos sulcos ou de forma direta no pé das plantas, capinas e adubação de cobertura. Por fim, a colheita deve ter início em 60 a 80 dias posteriormente ao plantio e pode ser prolongada por 60 a 90 dias.

É importante ter consciência de que o ponto ideal da colheita é quando os frutos estão sem fibras, tenros, o que pode ser facilmente observado quebrando a ponta. A pessoa responsável pela colheita deve usar proteção, como camisa de mangas compridas e luvas para evitar possíveis irritações.

De acordo com o que foi apresentado ao longo do texto, a água de quiabo ganhou grande fama nos últimos anos, em especial, pelo potencial apresentado contra o diabetes e a contribuição para a perda de peso. No entanto, é preciso levar em consideração que ainda há escassez de estudos acerca dessas hipóteses, o que só reforça ainda mais a necessidade de recorrer a orientação médica.

No entanto, de forma geral, o alimento em si pode ser favorável para a saúde, contribuindo com a defesa do organismo, saciedade, entre outros fatores. Assim como todo tipo de alimento, deve ser consumido com cautela e aliado a alimentos saudáveis e uma dieta balanceada.

Deixe seu comentário