QC Saúde

Benefícios da Batata-doce para os músculos

Em algumas regiões, a batata-doce está presente apenas em pratos típicos de celebrações, como as festas juninas. Todavia, sabe-se que no cardápio diário de algumas pessoas, não só aquelas que praticam exercícios físicos regularmente, a batata-doce faz sucesso, por exemplo, no nordeste brasileiro. Você sabe a razão de ser tão consumida? No texto a seguir, essa e outras perguntas em torno da batata-doce serão respondidas!

O que é a batata-doce?

Ao abordar a batata-doce, é interessante esclarecer do que se trata, afinal, por mais que seja famosa em regiões como Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe, entre outros locais, muitas pessoas não conhecem de fato o alimento e suas principais propriedades, que serão apresentadas em breve.

A batata-doce é uma hortaliça tuberosa, que pode ser aplicada tanto na alimentação animal, quanto na humana, além de ser empregada como matéria-prima em diversos setores, tais como alimentício, cosméticos, preparo de adesivos, tecidos, entre outros.

Benefícios da batata doce

Entre os importantes componentes que são responsáveis pelas grandes vantagens que a batata-doce apresenta, estão as vitaminas e os minerais, que serão apresentados mais a fundo com os benefícios citados, tais como:

Favorável para os músculos

Pessoas que normalmente praticam exercícios físicos de forma regular, buscam consumir a batata-doce por mais de um motivo. Afinal, além de ser uma boa fonte de potássio, que contribui no combate às terríveis câimbras e ajuda no equilíbrio de fluídos no organismo, a raiz ainda apresenta carboidrato, que contribui com uma melhor recuperação da massa muscular.

Aliada das dietas

As fibras presentes na batata-doce são os principais componentes relacionados com esse benefício, afinal, as fibras ajudam a controlar o apetite, o que é muito vantajoso para quem está realizando dietas e precisa ter um maior controle do que ingere. Vale lembrar que, ao exagerar no cozimento da batata-doce, parte dessas fibras pode se perder.

Quais são as formas de consumo da batata-doce?

Em terras brasileiras, assar a batata-doce no período de festas juninas, é um costume muito antigo. No entanto, o consumo no dia a dia é mais presente em diversas regiões, não apenas em datas especiais, por exemplo, em Sergipe, Rio Grande do Sul, Alagoas, Rio Grande do Norte, Bahia, entre outras.

O mais indicado é não fritar com frequência, afinal, quando é colocada imersa em óleo e frita, a batata-doce apresenta mais calorias, além da possibilidade de comprometer seus benefícios. Dessa forma, o mais recomendado acaba sendo a opção do cozimento em panela de pressão ou de prepará-la assada.

Como cultivar batata doce

O potencial do cultivo de batata-doce é alto, afinal, a hortaliça apresenta pouca exigência, ampla adaptação, tornando o seu cultivo relativamente fácil. Suas raízes são categorizadas como uma das fontes mais populares de energia.

Conforme citado, para alimentação, não serve apenas para humanos, pois as ramas de batata-doce, por apresentarem riqueza em proteína bruta, fácil digestão, entre outras propriedades, podem ser usadas em outros casos, por exemplo, na alimentação de gado. No entanto, pesquisas apontam que o uso dessas ramas, ainda é realizado em escala limitada.

Por mais que esteja entre as 10 hortaliças mais plantadas no Brasil, há necessidade de mais estudos e aplicações tecnológicas nessa cultura, que como citado anteriormente, apresente grande potencial. No entanto, esse cenário não se reflete em países asiáticos, onde a batata-doce é muito valorizada e tem grande presença no cardápio.

A aplicação de tecnologia e consequentemente o aprimoramento da produção no Brasil, poderia proporcionar um produto melhor para os consumidores e impulsionar a produtividade. Afinal, ainda é cultivada em pequena escala, principalmente por pequenos produtores e famílias rurais.

Por mais que existam técnicas variadas para as etapas do cultivo, desde o preparo do solo até o ponto de processamento após a colheita, é possível que o cultivo seja realizado de maneira rudimentar, ou seja, sem o uso de irrigação, agrotóxicos e fertilizantes. Naturalmente, é algo que depende muito da escala de produção e condições do solo.

No entanto, quando se compara o cultivo de bata-doce, com o de outras hortaliças, percebe-se que a necessidade de mão de obra, irrigação e uso de fertilizantes, é menor, categorizando assim um custo baixo para a produção. Neste contexto, é interessante levar em consideração também que a planta apresenta uma grande resistência contra doenças e pragas.

O que impede um maior cultivo da batata-doce?

É possível se perguntar a razão para um cultivo fácil e até mesmo tradicional, não ser explorado em maior escala no Brasil. Embora existam controversas em torno das desvantagens ou obstáculos para um maior cultivo de batata-doce, algumas razões são levantadas em matérias e pesquisas, tais como:

Valorização: por mais que seja consumida diariamente em alguns locais, em especial no meio rural, de forma geral, a batata-doce não é altamente valorizada no Brasil. Tanto que dificilmente é pautada quando se trata de produtos que visam a exportação ou faz parte de forma evidente de receitas, embora tenha potencial para uso em inúmeros pratos;

Aparência: esse é um fator que a princípio pode parecer banal, mas quando se trata de comércio, tanto interno quanto externo, é fato que há exigências em torno do aspecto dos alimentos. Um exemplo, as principais exigências das goiabas exportadas, são de polpa firme, de coloração branca. Já no caso da batata doce, não é considerado um alimento atrativo, embora, naturalmente, muitas pessoas, não seja um aspecto capaz de atrapalhar o consumo;

Preparação culinária: nem todo consumidor tem interesse no preparo constante da batata-doce, pois diferentemente das outras hortaliças e conforme apresentado, requer mais tempo e cuidado para descascar, picas e cozinhar.

Ao contrário do que alguns podem pensar, a batata-doce não faz parte do cardápio apenas de praticantes de exercícios físicos e nos períodos de festas juninas. Muito pelo contrário, em algumas regiões, esse alimento tem uma valorização maior, com mais presença no cardápio.

A valorização é muito importante, pois se trata de uma raiz com grande potencial para contribuir com a saúde, especialmente para uma melhor recuperação dos músculos e como aliada em dietas. Por isso, é importante não deixá-la apenas para o meio do ano e consumi-la com maior regularidade.

Deixe seu comentário