QC Saúde

Garcinia Cambogia: extrato que ajuda na perda de peso

Nativa do sul da Índia, a Garcínia Cambogia, é uma das diversas espécies de árvores e arbustos do gênero Garcinia que são encontradas normalmente na América Tropical, Ásia e África. É considerada uma fruta exótica, de sabor peculiar, geralmente usada como tempero, entre outras formas de aplicação. Aponta-se que o extrato da fruta, apresente alguns benefícios para o organismo, especialmente para a perda de peso. No entanto, neste contexto, existem diversos pontos a serem esclarecidos. A seguir, confira mais informações em torno dessa exótica fruta que é pouco conhecida aqui no Brasil.

O que é Garcínia Cambogia?

Conforme citado, trata-se de uma fruta encontrada na África, Ásia, América Tropical, entre outras áreas, sendo muito utilizada em forma de tempero na Índia. Além de Garcínia Cambogia, também recebe os nomes de Goraka e Malabar Tamarindo. É possível encontrar em lojas na internet e físicas, a comercialização em forma de cápsulas que visam contribuir com a redução de peso u em extratos secos para o preparo de chás, já que no Brasil, não se encontra o cultivo da planta.

Esses medicamentos são encontrados normalmente com dosagem de 500 mg, com a proposta de inibir naturalmente o apetite, amenizar o colesterol e a ansiedade. No entanto, essas propriedades ainda apresentam escassez de exatidão nas informações levantadas.

Aponta-se que em sua casca, esteja presente o ácido hidroxicítrico (HCA), que é relacionado em diversos estudos como portador de grande potencial para influenciar no metabolismo dos carboidratos, ácidos graxos e inibir até mesmo o apetite.

Os principais benefícios apontados por suas propriedades, tais como fibras, sais minerais e compostos fenólicos, além da diminuição da lipogênese, que influência no peso, é a redução da concentração plasmática da insulina. Dessa maneira, a principal forma de atuação da planta, se dá por mecanismos quase que exclusivamente metabólicos.

Há divergências entre as possibilidades de contribuir ou não com o controle do colesterol e taxas de açúcar no sangue. Entre os principais efeitos colaterais do consumo, são levantados fatores como náuseas, possibilidade de intoxicação, desconfortos estomacais, entre outras opções.

Relação da Garcínia Cambogia com a obesidade

Claramente, opções fitoterápicas, ou seja, que utilizam opções naturais como plantas para auxiliar no tratamento e prevenção de diversas patologias, são muito exploradas. Neste contexto,a obesidade está inserida, afinal, trata-se de um problema de saúde pública ao redor do mundo. A Garcínia Cambogia possui uma relação interessante e benéfica para pessoas nessas condições que desejam perder peso e até mesmo para quem não está no quadro categorizado como obesidade.

Os efeitos da planta para a redução de peso apresentam divergências em torno dos benefícios e malefícios. Alguns estudos propõem que enquanto proporciona de fato uma perda de peso razoável em curto prazo, por outro lado apresenta alguns efeitos colaterais, tais como o aumento dos níveis de colesterol. No entanto, depende muito da forma de uso, o extrato de chá verde, por exemplo, apresenta melhores resultados para a redução da gordura corporal, sem apresentar o fator do aumento do colesterol.

Determinadas pesquisas apontam uma possível relação da fruta com a redução do colesterol ruim, reforçando assim a necessidade de informações mais profundas e exatas sobre o real efeito que o consumo produz. Por mais que existe a ligação da G. Cambogia para o tratamento de pessoas obesas, sua eficácia ainda vem sendo estudada, pois ainda há escassez de informações mais profundas que ressaltem o uso seguro dessa opção fitoterápica.

Cuidados com a Garcínia Cambogia

Problemas com o peso são muito comuns, neste cenário, casos de obesidade estão inclusos. Diferentes fatores da sociedade estão relacionados com esse contexto que visa a perda de peso, sejam por questões de saúde ou meramente estéticas. Nesse cenário, é indispensável levar em consideração que o uso indevido de suplementos e medicamentos pode gerar graves consequências para a saúde.

Existe uma ampla rede de distribuição irregular, que é acometida por restrições da ANVISA, devido à falta de comércio adequado e informações que comprovem o benefício do uso de tais produtos. É importante ter cautela e sempre obter orientação médica, para que o seu caso tenha o tratamento mais adequado.

Ao consultar um médico especializado e de confiança, é possível encontrar não apenas medicamentos para reduzir o peso, como também a implementação de um cardápio, alterações de hábitos diários, entre outros fatores que serão analisados de acordo com as particularidades do seu quadro clínico e objetivos.

No caso da Garcínia Cambogia, além dos possíveis efeitos colaterais já citados, assim como outras opções medicinais, também existem contraindicações, que englobam pessoas como crianças, portadores de enxaqueca e Alzheimer, gestantes, entre outros.

De acordo com o que foi citado em torno do uso do extrato da fruta Garcínia cambogia, ainda existe grandes divergências a serem consideradas em torno do seu real efeito. Parte dos estudos afirma o potencial benéfico para pessoas acima do peso, em especial, pela presença do HCA, que atua na redução de gorduras, direciona as calorias para outros destinos e reduz o apetite. No entanto, neste contexto, é imprescindível recorrer a orientações médicas e avaliar a possibilidade de explorar essa opção de tratamento.

A demanda de suplementos à base de plantas é muito grande, para casos de redução de peso, combate a insônia e para quem busca ter mais energia. Matérias apontam que anualmente, milhares de pessoas vão para hospitais pelo uso inadequado dessas opções. Por esse motivo, a forma de ação, interação medicamentosa, contraindicações, entre outros fatores, precisam ser avaliados, além de sempre evitar a automedicação.

Engana-se quem pensa que o uso de elementos naturais não resulta em efeitos colaterais, é preciso ter consciência que só porque é natural, não indica necessariamente que não apresente malefícios. Algumas plantas, tais como camomila, babosa, erva-cidreira, entre tantas outras, já possuem propriedades comprovadas. No entanto, ainda há muito para se explorar no meio fitoterápico, levando sempre em consideração que o uso de doses ou substâncias erradas, podem comprometer gravemente a sua saúde. Por essa razão, é preciso se informar e com o auxílio médico, encontrar o tratamento mais adequado para atender suas necessidades e objetivos.

Deixe seu comentário