QC Saúde
Gravidez de risco

Gravidez de risco: causas, sintomas e tratamento

A cada ano milhões de crianças nascem no mundo. Porém, algumas delas passam por intensas batalhas ainda dentro do útero materno. Acontece que algumas gestações são de risco e necessitam de cuidados especiais. O que causa uma gravidez de risco? Como prevenir? Quais os sintomas? Se quer aprender sobre este problema, veja a seguir.

O que é uma gravidez de risco?

A gravidez de risco é aquela onde a situação da mãe e do bebê não estão tranquilas. Podem envolver somente a mãe ou somente a criança. Um dos dois pode acabar morrendo, ou ambos, caso os cuidados adequados não sejam tomados desde o início. Hoje em dia a medicina colabora bastante nessa questão de saúde.

O causa uma gravidez de risco?

Existem alguns fatores que podem contribuir com uma gravidez de risco. Essas questões podem ter ligações com doenças maternas, fetais ou associação de causas materno-fetais. Mães muito novas ou com avançadas, com doenças cardíacas, pulmonares, tireoidianas, diabéticas, hipertensas e com outros problemas físicos se enquadram no primeiro grupo.

Malformações congênitas, anormalidades cromossômicas, gestações múltiplas, infecções e prematuridade fazem partes das causas fetais. A última possibilidade está ligada a questões como ruptura da bolsa, anomalias na placenta e trabalho de parto prematuro. São problemas que atingem a mãe e o bebê, podendo fazer com que a gravidez se torne de risco.

Fatores de risco para uma gravidez

Mulheres que consomem bebidas alcoólicas, são fumantes de cigarros ou usuárias de drogas podem ter problemas durante a gravidez. É preciso evitar estes produtos químicos para que o bebê venha ao mundo sem maiores problemas. A alimentação também é outro fator de risco, já que se o sistema de imunidade estiver fraco, esse problema pode surgir com maior facilidade.

O ideal é controlar a quantidade de sal que é ingerida com os alimentos, já que ele pode aumentar a pressão arterial. Refrigerantes devem ser praticamente eliminados ao longo dos nove meses. Produtos industrializados também devem ser evitados. A alimentação adequada é importante para evitar riscos, principalmente para mulheres mais velhas.

Aprenda a prevenir uma gravidez de risco

Tudo na vida pode ser prevenido, incluindo gravidez de risco. Antes mesmo da gestação começar, a mulher deve procurar profissionais de saúde para identificar possíveis riscos. Entre os principais cuidados a serem tomados estão a idade da mulher, o histórico obstétrico e sua evolução e o peso da mulher, que em alguns casos precisa ser reduzido.

É necessário tomar diferentes cuidados caso a gravidez seja assistida ou espontânea. O histórico familiar para doenças hereditárias não pode ser desconsiderado. Os problemas clínicos da mamãe devem ser avaliados com cautela. Uma dica é consumir ácido fólico entre dois ou três meses antes de engravidar, preparando o organismo.

Como saber que a gravidez é de risco?

A gestante vai começar a ter alguns sintomas diferentes se a gravidez for de risco, todos eles devem ser relatados para o médico durante a consulta. O profissional de saúde fara uma profunda análise, verificando em qual trimestre a gravidez está, conferindo a bagagem familiar da mãe e identificando os locais das dores mais fortes.

Outros fatores ajudam nesse diagnóstico, indicando uma gravidez de risco. Contrações uterinas, problemas com os batimentos do coração do bebê, sangramentos constantes – embora estes preocupem em qualquer momento da gestação -, pesquisas laboratoriais podem ser feitas, incluindo testes genéticos. É aquela história, quanto mais cedo o diagnóstico, menores os problemas.

Após os sintomas, o que fazer?

Fazer a prevenção é a melhor forma de evitar problemas com a mamãe e com o bebê. A partir do momento que os sintomas surgirem, os cuidados com o pré-natal devem ser reforçados. Os profissionais de saúde devem ser contatados com maior frequência, assim a busca pelas melhores opções de tratamentos terapêuticos poderá ser alcançada.

Diagnóstico da gravidez de risco

A cada consulta com o médico, um novo exame deverá ser feito. O rastreamento protocolar padrão segue testes feitos em laboratórios, verificando os índices de glicemia, tipagem sanguínea, testes de hepatites B e C e até HIV. O exame de imagem, a ultrassonografia, também é realizada, identificando com mais precisão a posição do bebê.

Peso e altura podem gerar gravidez de risco

A gravidez de risco pode acontecer devido ao peso da gestante, caso este seja muito baixo ou muito elevado. É importante levar em conta o IMC, que não deve estar nas extremidades e sim seguindo padrões normais. Essa questão pode resultar em problemas para o crescimento do feto e colabora para a possibilidade de desenvolvimento da diabetes gestacional. Mulheres com menos de 1 metro e meio podem ter problemas, principalmente no parto.

Gravidez gemelar é um fator de risco

A gravidez gemelar é um dos principais fatores para riscos durante a gestão. Caso a mulher esteja esperando por dois bebês ou mais, a chance de encarar esse tipo de problema é dobrada. Na gravidez gemelar o útero trabalha mais, fazendo com que as dores sejam mais intensas. Diabetes gestacionais, pré-eclâmpsia e hipertensão ganham mais possibilidades de aparecerem.

Idade da mulher influencia

Um dos fatores mais importantes para uma gravidez de risco é ligada a idade da gestante. Se essa tiver menos do que 16 anos ou mais de 35, já é considerada de risco. As adolescentes podem não ter o corpo totalmente preparado para o desenvolvimento de um feto, enquanto isso, as mais velhas podem ter filhos com alguma deficiência.

Depressão pode causar gravidez de risco

A gravidez é um período diferente na vida de uma mulher. O corpo passa por diversas transformações e acontecem descargas hormonais intensas. Algumas mulheres necessitam de tratamentos contra a depressão, para que possam se sentir melhor. Porém, os antidepressivos podem causar diversos problemas para os fetos, colocando em risco a gravidez.

Medicamentos para gravidez de risco

Quando o diagnóstico estiver completo, o médico poderá receitar alguns medicamentos para evitar os sintomas. Mesmo assim, a melhor opção nessa época da vida é evitar os remédios, já que eles podem trazer problemas para a vida do neném. Consuma somente o que o médico indicar e nada mais.

O QC Saúde tem caráter totalmente informativo, não recomendamos que você faça nenhum tipo de procedimento ou uso de medicação sem antes consultar um médico especialista.

Nosso objetivo é publicar conteúdo de qualidade de forma simplificada, clique aqui e confira nossas fontes.

Deixe seu comentário