QC Saúde
Remédios que você não pode tomar durante a gravidez

Remédios que você não pode tomar durante a gravidez

A gestação é cercada de riscos e cuidados. As mulheres por vezes sentem dores e precisam consumir medicamentos para evitar essa situação de incômodo. Mas, diversos remédios são proibidos para grávidas, devido aos problemas que podem causar ao bebê. Aqui vamos falar sobre os principais medicamentos dessa lista, confira.

Não tome remédios por conta própria

Nenhum tipo de medicamento entre os receitados deve ser consumido por conta própria, sem a recomendação de um médico. Durante a gravidez essa situação fica ainda mais forte, já que remédios comuns no dia a dia podem trazer problemas para o desenvolvimento do bebê. Dessa forma, o melhor a se fazer é evitar a automedicação.

Remédios proibidos na gravidez

Os remédios que são proibidos durante a gravidez geralmente atingem essa classificação devido a possibilidade de levarem o bebê a ter uma malformação, causando complicações que serão levadas por toda a vida. Destacam-se neste segmento o Minociclina (antibiótico), Misoprostol (antiulceroso), Atorvastatina, Sinvastatina, Varfarina, Finasterida, Ribavirina (antiviral), Talidomida (hanseniostático/hipnótico) e Tetraciclina (antibiótico).

Remédios contraindicados na gravidez

Alguns remédios não são indicados para mulheres grávidas, mas podem ser recomendados pelos médicos caso a mamãe apresente alguma doença grave durante este período. Nessa lista entram medicamentos como Captopril, Cataflan, Ciprofloxacino (nos primeiros 3 meses de gravidez), Diclofenaco, Enalapril, Propranolol e Omeprazol.

Remédios naturais proibidos para grávidas

Plantas são ótimas para ajudar em questões da saúde, sendo uma excelente alternativa para superar alguns problemas. Mas, nem todas podem ser utilizadas por mulheres grávidas. As ervas devem ser consideradas assim como os medicamentos comprados em farmácias, ou seja, é melhor perguntar para o médico antes de utilizar. Aloe vera, canela, ginseng, poejo, alcaçuz, erva de São João, alecrim e gengibre devem ser evitadas por gestantes.

Remédios com riscos potenciais

lisinopril, alprazolam, losartan, clonazepam e lorazepam são alguns medicamentos que oferecerem riscos potenciais em sua utilização, para mães e bebês. Até hoje nenhum estudo conseguiu comprovar o risco para os fetos, mas pesquisadores acreditam que é possível. Então é melhor evitar. Acontece que são milhares de remédios e os estudos não envolvem apenas testes com grávidas.

Fazem parte deste grupo outros remédios, como tramadol, gabapentina, amlodipina, trazodona, prednisona, halotano e isoflurano. Estes passaram por testes em animais, onde apresentaram efeitos negativos durante gestações. Em seres humanos os testes não são conclusivos, então se utilizados de maneira controlada, podem ser úteis devido aos benefícios que trazem momentaneamente para as grávidas.

Por que grávida não pode tomar Dipirona?

Um dos remédios mais populares do mercado, a Dipirona pode ser consumida entre o 4º e o 6º mês de gravidez. Esse medicamento é contraindicado no primeiro e no último semestre. No primeiro pode trazer malformação fetal e a partir da 30ª semana de gestação, causa fechamento do ducto arterial, prejudicado a coagulação do sangue entre a mãe e o bebê.

Grávida por tomar Dorflex?

O Dorflex não deve ser utilizado durante o primeiro trimestre da gravidez. No segundo trimestre somente com recomendação médica. No último trimestre também é proibido.

Porque grávida não pode tomar Omeprazol?

Esse medicamento até pode ser consumido, desde que indicado pelo médico. Não existem estudos científicos que garantam não fazer mal ao bebê. Deve ser consumido apenas quando os benefícios para a mulher forem muito maiores do que os possíveis riscos para o bebê.

Remédios permitidos para grávidas

Casos sejam prescritos pelo médico, alguns remédios podem ser consumidos pelas grávidas, como o Dramin B6 ou Plasil, indicado para evitar náuseas e vômitos. Se estiver com azia, a melhor alternativa é o Riopan ou o Mylanta. Para cólicas é Buscopan, sem erro. Outros dois medicamentos bem populares, Tylenol e Dipirona, são indicados para dor de cabeça e febre, permitido para grávidas.

Se a gestante estiver com dor de garganta ou tosse, poderá consumir soro fisiológico ou Flororal spray. Para ansiedade e nervosismo é recomendado o passiflora. Contra gases intestinas, problema bem comum ao longo dos nove meses, o melhor medicamento é o Luftal. Para hemorroidas, outra questão que atinge muitas mamães, os mais indicados são Xyloproct ou Proctoxilodase.

Outros remédios que gestantes podem usar

Alguns medicamentos são permitidos para mulheres grávidas, embora possam apresentar outras contraindicações para as mães e bebês, dessa forma, podem ser utilizados somente com indicação médica. Entre eles estão Amoxicilina, Ampicilina, Buscoduo, Buscopam Plus, Benzetacil, Cefalexina, Cetirizina (levocetirizina), Corticoides e Metoclopramida. O ideal mesmo é evitar esse tipo de produto, mas nem sempre é possível.

Medicamentos que ainda precisam de testes

Pesquisas indicaram que levotiroxina, ácido fólico, sulfato de magnésio e liotironina não trazem qualquer risco para a gestação ao longo do primeiro trimestre, porém, não existem comprovações sobre os outros trimestres. Metformina, hidroclorotiazida, ciclobenzaprina, amoxicilina e pantoprazol são remédios que ainda não foram testados em grávidas, mas em animais não apresentaram nenhum tipo de problema.

Chás que grávidas não podem tomar

Não só os remédios podem fazer mal para as gestantes, como também alguns chás feitos com base em plantas medicinais. Entram nessa lista alguns bem populares, como chá de boldo, chá de cavalinha, chá de babosa, chá de canela, chá de alecrim, chá de salsinha, chá de vidreira, chá de ipê roxo e chá de hortelã. O chá de gengibre até pode, desde que em pouquíssimas quantidades.

O chá preto, o chá mate e o chá verde não devem ser consumidos durante a gestação, já que estes possuem cafeína. Existem ainda bebidas que não estão totalmente contraindicadas para as grávidas, como chá de cúrcuma, o chá de cravo-da-Índia e o chá de dente-de-leão. A erva-doce não deve ser consumida já que pode aumentar os níveis de estrogênio, gerando menstruação.

O estrago da talidomida

Entre 1950 e 1960 a talidomida era comercializada facilmente no Brasil e no mundo, como um sonífero leve e seguro, indicada para mulheres grávidas que possuíam náuseas. Acontece que nessa época mais de 10 mil bebês de todo o planeta nasceram com graves deficiências, apresentando deformações nos braços e nas pernas. Hoje em dia a talidomida é extremamente proibida para grávidas, sendo indica para o tratamento da hanseníase, por exemplo.

O QC Saúde tem caráter totalmente informativo, não recomendamos que você faça nenhum tipo de procedimento ou uso de medicação sem antes consultar um médico especialista.

Nosso objetivo é publicar conteúdo de qualidade de forma simplificada, clique aqui e confira nossas fontes.

Deixe seu comentário